SP avalia a aplicação de uma 4ª ou até uma 5ª dose da vacina para parte da população

Existe a possibilidade de que alguns medicamentos abaixem a eficácia da vacina

Diversas cidades do estado de São Paulo já disponibilizaram o calendário para a terceira dose da vacinação contra a Covid-19 para reforçar a imunização, e além disso o Centro de Contingência do Coronavírus em São Paulo afirmou que avalia a possibilidade de uma quarta dose para uma parcela específica da população.

Foi avaliado que a imunização de pessoas transplantadas pelas doses previstas das diversas vacinas utilizadas se provou com um resultado abaixo do esperado, com uma resposta imune bem inferior à apresentada no restante da população.

José Medina é superintendente do Hospital do Rim em São Paulo (SP) e também um dos membros do Centro de Contingência do Coronavírus em SP explicou que a resposta imune inferior apresentada em pacientes transplantados é independente da vacina utilizada, pois ocorre com todas as distribuídas no país.

Ainda segundo o mesmo, as pessoas com transplantes que tomaram as doses previstas das vacinas AstraZeneca, Pfizer ou da Moderna apresentaram uma resposta tão fraca quanto a CoronaVac, e esse é o motivo de se avaliar a aplicação da quarta e se necessário uma 5º dose dos imunizantes para pessoas transplantadas a fim de alcançar uma resposta imunizante adequada.

José Medina apontou ainda um estudo sobre pessoas transplantadas e a incidência da Covid-19, o estudo foi feito com um grupo de doze mil transplantados onde 21% tiveram a doença, e dentre eles 1 a cada 4 faleceu pela Covid-19, uma média dez vezes mais alta do que o restante da população.

Durante o estudo também foram comparadas as taxas de imunização da 1º dose da CoronaVac em pessoas  transplantadas e não transplantadas, foi observado que os anticorpos contra a Covid-19 formados que foram respectivamente 15% e 79%, e depois da segunda dose foi de 45% e 98%.

Segundo Eloísa Bonfá, diretora do Hospital das Clínicas, a menor resposta obtida em pacientes transplantados pode ser causada pelos medicamentos que eles utilizam.

José Medina informou que ainda antes da terceira dose ser pensada para reforço da população como um todo, foi feito um estudo cujo objetivo era avaliar qual seria a resposta obtida com a aplicação de uma 3º dose da CoronaVac direcionada a pacientes transplantados.

Com a aplicação da terceira dose a resposta imune observada em pacientes transplantadas subiu para 53%, tendo em vista esses resultados é possível entender as preocupações de Medina e o motivo de uma quarta ou se necessário uma quinta dose para essa parcela da população.

Comentários estão fechados.