Entenda o que é e como funciona um consórcio

0

Você sabe o que é um consórcio? Ou qual a melhor opção para seu orçamento? Leia este conteúdo e tire todas as suas dúvidas sobre o assunto!

Adquirir um imóvel, um veículo ou outros bens podem exigir um bom planejamento e avaliação da sua situação financeira.

Não é à toa que, para realizar essas aquisições tão sonhadas, algumas pessoas partem para as soluções de concessão  de créditos. 

Leia também: Como aprovar financiamento de veículo com score baixo?

O consórcio é uma modalidade de crédito que vem ganhando muita força no Brasil, pois é uma forma de adquirir bens com mais facilidade, segurança e planejamento.

Assim, fugindo das altas taxas de juros do mercado, cobradas principalmente nos empréstimos e financiamento bancários.

Sendo assim, se você tem dúvidas como “o que é um consórcio?” ou “como funciona um consórcio?” acompanhe essa leitura que vamos te explicar tudo tim tim por tim tim.

Afinal, o que é um consórcio?

Segundo a ABAC (Associação Brasileira de Administradoras de Consórcios), consórcio é a modalidade de compra baseada na união de pessoas – físicas ou jurídicas – em grupos, com a finalidade de formar uma poupança para a aquisição de bens móveis, imóveis ou serviços.

Quem faz a formação desses grupos é uma Administradora de Consórcios, autorizada e fiscalizada pelo Banco Central do Brasil.

Esta invenção brasileira surgiu na década de 60 com a instalação da indústria automobilística no território nacional.

Em decorrência da falta de oferta de crédito direto ao consumidor, um grupo de funcionários do Banco do Brasil tiveram a ideia inovadora à época de formar um grupo onde cada um contribuiu com uma parcela do valor do carro.

Dessa forma, somando as parcelas, a aquisição estava garantida. Mas, de quem seria aquele primeiro veículo? A solução foi simples: sorteá-lo!

Surgiu, assim, no Brasil, o Consórcio, mecanismo de concessão de crédito isento de juros, que tem por finalidade a aquisição de bens e serviços.

Qualquer pessoa pode fazer um consórcio?

As administradoras de consórcios devem ser regulamentadas pelo Banco Central do Brasil e cada uma tem suas regras específicas.

Você encontra no mercado variações de valor das cotas, prazos e formas de contemplação.

No geral, para aquisição do consórcio, exige-se que o cotista tenha no mínimo 16 anos, e é feita uma análise simples de perfil através da entrevista inicial de negociação.

O que serve para entender qual a necessidade e o perfil de cada cotista, também são solicitados documentos básicos como RG, CPF e comprovante de endereço.

Como de praxe, esses documentos serão usados para a verificação do seu nome e da sua situação fiscal, facilitando a parte da análise de crédito.

No entanto, você também deve avaliar as regras específicas da administradora e estar muito atento ao contrato de adesão, que é o documento que vai formalizar a sua entrada no grupo do consórcio.

Logo, ele estabelece quais as obrigações da administradora e as da pessoa que adere ao serviço.

O contrato deve ser transparente, legível e com cláusulas bem desenvolvidas.

Se ficar com alguma dúvida, recorra a alguém que entenda do assunto, como um advogado.

Caso resolva assiná-lo, exija uma cópia.

Estou com o nome sujo e quero fazer um consórcio, eu posso?

Quando você é contemplado com a tão sonhada carta de crédito, a administradora irá te ceder um crédito sem juros com um valor total para adquirir um bem ou serviço.

Mas que você ainda não pagou completamente!

Por isso, é hora de acrescentar mais algumas documentações ao contrato do consórcio.

Por exemplo, seu comprovante de renda, pois agora a administradora irá realizar uma análise de crédito para identificar a sua capacidade de continuar pagando o consórcio.

Nessa etapa, se você foi à administradora, entregou todos os documentos necessários para a análise de crédito, esperou a avaliação do seu nome e, sem aviso nenhum, recebeu uma resposta de que ele estava negativado, a situação pode se complicar um pouco.

Mas, calma! Há uma solução.

Em primeiro lugar, se você já sabia que estava com uma dívida aberta, não há muito o que fazer.

É preciso quitá-la e limpar seu nome.

Ou seja, se seu nome realmente estava sujo por uma dívida que você fez e esqueceu de quitá-la, agora é o melhor momento.

Principalmente porque, com a dívida negativando seu CPF, o consórcio será negado.

Contudo, se você identificou que não fez a dívida, é bem provável que seu nome esteja negativado indevidamente.

Ou seja, se você não sabia dessa situação e não tem débito nenhum, é melhor verificar a sua situação do seu CPF imediatamente.

Nesse caso, é muito importante que você busque seus direitos. 

QUERO TER UM CARTÃO DE CRÉDITO

Afinal, o erro da empresa que inscreveu seu CPF nos órgãos de proteção ao crédito está te impedindo de realizar um sonho que você batalhou muito para conseguir.

Agora que você sabe o que é um consórcio, aprenda como buscar um no mercado!

Como já falamos anteriormente, os consórcios não cobram juros pelo pagamento parcelado.

Porém, você também não recebe o bem de imediato, pois existem algumas outras cobranças além do valor do bem que são pagas pelo cotista quando ele adquire um consórcio.

Dessa forma, as administradoras assumem algumas responsabilidades, como:

  • gestão dos pagamentos;
  • montagem;
  • organização dos grupos;
  • custos de sistemas para as assembleias mensais;
  • e sorteios.

Além disso, também existem custos administrativos e, pelos motivos acima, o Banco Central do Brasil, que é o órgão regulamentador das administradoras, permite que elas cobrem dos cotistas a chamada taxa de administração.

As empresas podem determinar os próprios percentuais para cobrar a taxa. 

Eles sempre serão fixados conforme o valor do bem ou do serviço objeto do consórcio.

Sendo assim, você deve ficar atento porque existe variação entre as taxas cobradas por diferentes empresas de consórcio.

Geralmente, os percentuais da taxa de administração variam e podem chegar a 25% do valor total do plano. 

Esse montante é diluído nas mensalidades.

Algumas administradoras também acrescentam nas prestações além da taxa de administração e do fundo comum, que é valor pago pelo integrante para formar a grande poupança, que vai ser destinada à compra do bem ou do serviço pelos contemplados. um outro valor.

Chamado fundo de reserva, essa cobrança tem como função ser um fundo de proteção para garantir o funcionamento do grupo de consorciados em situações adversas.

Além disso, também pode ser adicionado um valor de seguro que irá cobrir o pagamento do cotista caso algo aconteça com o mesmo e ele fique impossibilitado de pagar.

Entretanto, vale ressaltar que todas essas cobranças devem está especificadas e detalhadas no contrato.

O que devo saber antes de escolher meu consórcio?

Então, para decidir qual a melhor administradora de consórcio para você, é importante observar todos esses aspectos!

Como a maioria das administradoras já trabalham com processos on-line, não é difícil encontrar uma confiável na internet.

Porém, o Banco Central divulga semestralmente um ranking de administradoras de consórcios, onde é feito uma análise de reclamações registradas e número de consorciados de cada uma das administradoras registradas.

No ranking, você também conferir quais os assuntos mais reclamados de cada administradora.

Qual a diferença entre consórcio e financiamento?

A principal diferença entre consórcio e financiamento é a incidência de juros sobre o valor do bem ou serviço.

Isso acontece porque em alguns financiamentos os juros podem ser tão altos que o consumidor acaba pagando o dobro do valor do bem.

Por outro lado, no consórcio não há essa incidência.

Além disso, outro ponto que diferencia os dois é a urgência da aquisição do bem ou serviço, isso porque o consórcio não dá garantias de contemplação rápida, uma vez que o processo segue uma lógica de sorteio e leilões de lances.

Já no financiamento, ao ser aprovado, a compra pode ser feita imediatamente, garantindo assim mais rapidez.

Consórcio ou financiamento: qual o consumidor deve escolher?

Para decidir entre financiamento e consórcio, você deve observar, sua condição financeira, disposição para pagar juros e necessidade do bem ou serviço.

O importante é que você faça essa analise com calma e seja racional na hora de decidir, coloque os prós e contras de cada um lado a lado para no final tomar uma decisão mais assertiva.

Mas é importante lembrar, que se você tem tempo para aguardar a aquisição por consórcio, com um bom planejamento financeiro e bons investimentos você também pode alcançar essas aquisições sem pagamento de taxas.

Quer assumir o controle do seu dinheiro? Clique aqui e baixe grátis nossa planilha de planejamento financeiro.

Pelo contrário, vendo seu dinheiro render enquanto você junta para comprar seu bem à vista.

Gostou de aprender o que é consórcio e qual a melhor opção para o seu orçamento? Continue acompanhando o Blog da Resolvvi para mais dicas e direitos do consumidor!

Por: Nara Souza

Fonte: Resolvvi

Imagem: resolvvi