GFIP: empresas notificadas devem fazer a regularização de divergências

As empresas que prestam informações através da Guia de Recolhimento do FGTS e Informações à Previdência Social (GFIP), estão sendo constantemente fiscalizadas pela Receita Federal.

A iniciativa faz parte da operação Falso Simples, que pretende identificar as divergências e auxiliar as empresas à fazer a autoregularização.

Desta forma, foi constatado que várias empresas que não são enquadradas no Simples Nacional, informaram indevidamente a condição de optante por esse regime nas guias. 

As inconsistências verificadas se referem ao ano-calendário 2018 e, se não for corrigido, as empresas podem ser prejudicadas por deixar de recolher a contribuição previdenciária. Por isso, veja neste artigo como regularizar a situação. 

Operação

A operação Falso Simples realizada pela Receita Federal teve início em 2019, quando 14.381 cidadãos foram comunicados e orientados a providenciar as correções na GFIP que reúne informações de vínculos empregatícios e remunerações. 

Nesta etapa da operação, esse número chega à 31.899 cidadãos e o total de indícios de sonegação verificado para o ano-calendário de 2018, é de aproximadamente R$ 803 milhões, para todo o país.

Regularização

Para auxiliar essas empresas, a Receita Federal irá emitir comunicados para aquelas que possam fazer a regularização das divergências até o dia 30 de setembro. Vale ressaltar que neste período não serão aplicadas penalidades às empresas notificadas.

Assim, os contribuintes que informaram indevidamente a opção pelo Simples Nacional receberão o Aviso de Autorregularização, através da Caixa Postal no e-CAC. Nestes avisos, constam o demonstrativo das inconsistências que foram apuradas pela Receita Federal. 

Mas vale ressaltar que não é preciso ir até uma unidade da Receita Federal nem protocolar qualquer resposta ao Aviso de Autorregularização através dos canais de atendimento.

Basta acessar o portal do Simples Nacional, para verificar os períodos em que o contribuinte não tem direito ao tratamento diferenciado e favorecido de que trata a Lei Complementar 123/2006. 

Depois, é necessário retificar a informação do campo “Simples” para “1-Não Optante” e verificar as informações de outros campos que influenciam no cálculo do valor devido, tais como: 

  • Alíquota RAT, 
  • FAP, 
  • CNAE,
  • FPAS,

Feitas as retificações nas GFIPs e pague o débito devido. 

Vantagens da regularização

Ao fazer a regularização dentro do prazo, o contribuinte pode contar com as seguintes vantagens:

  • recolher ou parcelar os valores devidos apenas com os devidos acréscimos legais, sem incidência da multa;
  • o aviso de autorregularização contém o demonstrativo das GFIPs onde foi identificada a informação de opção indevida pelo Simples Nacional, o que facilita ao contribuinte identificar a irregularidade e retificar as informações antes de iniciado qualquer procedimento de fiscalização

Multa

Após o prazo concedido, a Receita Federal fará uma nova verificação da opção pelo Simples Nacional que foi indevidamente informada em GFIP. Caso os contribuintes não façam a regularização, serão autuados.

Neste caso, será feito a lavratura de Auto de Infração e aplicação de multas que podem variar de 75% a 225% da contribuição previdenciária que deixou de ser declarada, além disso, também serão somados juros devido ao atraso no pagamento.

Dica Extra: Já imaginou aprender 10 anos de Prática Contábil em poucas semanas?

Conheça um dos programas mais completos do mercado que vai te ensinar tudo que um contador precisa saber no seu dia a dia contábil, como: Rotinas Fiscais, Abertura, Alteração e Encerramento de empresas, tudo sobre Imposto de Renda, MEIs, Simples Nacional, Lucro Presumido, enfim, TUDO que você precisa saber para se tornar um Profissional Contábil Qualificado.

Se você precisa de Prática Contábil, clique aqui e entenda como aprender tudo isso e se tornar um verdadeiro profissional contábil.

Comentários estão fechados.