Livro Diário: veja como funciona esse documento

0

Todas as operações de uma empresa devem ser escrituradas diariamente, sendo esta uma obrigação prevista pela legislação comercial.

Mas, para isso, é preciso seguir as Normas Brasileiras da Contabilidade, que reúnem todas as regras e critérios para que os documentos contábeis sejam feitos de forma correta.

Vale ressaltar que todas as empresas são obrigadas a efetuar escrituração contábil. Dentre esses documentos, destacamos o Livro Diário que, atualmente, pode ser feito de forma manuscrita ou digital.

Então, para que você entenda a importância desse documento para sua empresa e saiba como elaborar o Livro Diário, continue conosco! 

O que é o Livro Diário?

O livro diário foi instituído pelo Decreto-Lei 486 de 1969 e regulamentado pelo Decreto-Lei 64.567. Através dele, as empresas fazem a escrituração de operações contábeis que ocorrem diariamente.

Desta forma, os lançamentos registrados no livro devem ter partidas dobradas de crédito e débito e os resultados dos dois devem ser iguais.

Designed by @ijeab / freepik
Designed by @ijeab / freepik

Regras do Livro Diário

Para facilitar o registro destas informações, o governo federal liberou a entrega dos dados fiscais e tributários das empresas, por meio virtual.

Assim, os empreendimentos que estão enquadrados nos regimes Lucro Real, Lucro Presumido, além do Terceiro Setor e Sociedades em Conta de Participação (SPC), devem fazer a entrega do Livro Diário através do sistema Sped.

A intenção é de que todos os livros impressos sejam substituídos pela versão digital. Para isso, é preciso registrar a assinatura digital, informando quem é o representante da empresa e o contador responsável.

Para as demais empresas que ainda fazem o Livro Diário de forma impressa., é necessário que ele seja encadernado e tenha suas folhas numeradas tipograficamente. Além disso, também é necessário  que o responsável faça a devida autenticação na Junta Comercial do estado onde funciona a empresa.

Informações do Livro Diário

O Livro Diário precisa ter informações relacionadas à qual empresa ele pertence, por isso, registre o endereço e o número de CNPJ. Não se esqueça que todas as informações sobre valores devem constar em moeda corrente no país e o idioma local. 

As informações precisam ser registradas em ordem cronológica, desde o primeiro dia até o último dia de cada ano, independente da forma de escrituração.

Por isso, conte com a ajuda de um contador que possui experiência na elaboração do Livro Diário, a fim de que sejam cumpridas todas as formalidades necessárias. Veja como registrar as informações: 

Termo de abertura e de encerramento: são as informações da empresa, como o endereço da sede, o CNPJ, além da quantidade de folhas, o número e data do arquivamento dos atos constitutivos no Órgão de Registro estipulado. Informe ainda a finalidade do livro, o número de ordem e a empresa a que ele pertence.

Escrituração: se trata dos fatos contábeis, onde devem constar informações sobre a data da operação, títulos das contas de débito e crédito, além dos valores e o histórico de registro com informações sobre notas fiscais, por exemplo. 

DRE: se trata da Demonstração do Resultado do Exercício e, por meio dela são descritas todas as operações contábeis de um determinado período. Desta forma, é possível apurar os lucros ou prejuízos da empresa. 

Balanço patrimonial: através dele é informada a situação patrimonial do empreendimento ao final de um exercício. É necessário fazer o Balanço Patrimonial descrevendo os bens, direitos e obrigações da empresa.

Demonstração do Resultado Abrangente: através desta demonstração é feita a análise gerencial. Também deve ser elaborado por se tratar de uma obrigação prevista pela Resolução CFC nº 1.185/09.

Demonstração dos Fluxos de Caixa: a DFC é responsável por indicar as saídas e entradas de dinheiro no caixa, por isso, também precisa ser informada no Livro Diário. 

Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido: essa demonstração substitui a DLPA (Demonstração de Lucros e Prejuízos Acumulados), então, as informações que antes eram registradas na DLPA, devem ser informadas na Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido, se referindo às movimentações e reservas de um determinado período. 

Notas explicativas: também é obrigatório registrar as notas explicativas, visto que devem ser informados critérios para o estoques, cálculos de depreciação, amortização, além dos investimentos, aumento de valores de ativos, taxas de juros, datas de vencimentos de obrigações e compras de ações, etc. 

Dica Extra: Já imaginou aprender 10 anos de Prática Contábil em poucas semanas?

Conheça um dos programas mais completos do mercado que vai te ensinar tudo que um contador precisa saber no seu dia a dia contábil, como: Rotinas Fiscais, Abertura, Alteração e Encerramento de empresas, tudo sobre Imposto de Renda, MEIs, Simples Nacional, Lucro Presumido, enfim, TUDO que você precisa saber para se tornar um Profissional Contábil Qualificado.

Se você precisa de Prática Contábil, clique aqui e entenda como aprender tudo isso e se tornar um verdadeiro profissional contábil.

Por Samara Arruda