Quem deve entregar DCTF mensal?

Mesmo sendo uma declaração mensal, muitos gestores ainda têm dúvidas sobre a sua obrigatoriedade

0

Através da DCTF (Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais), a Receita Federal verifica mensalmente o recolhimento de tributos e contribuições que são feitas pelas empresas brasileiras.

Através desse documento também são declarados os parcelamentos e compensações de créditos, além da suspensão da exigibilidade do crédito tributário. Portanto, a sua entrega deve ser feita até o 15º dia útil do segundo mês seguinte ao que ocorreu o fato gerador.

Neste mês, por exemplo, a DCTF deve ser apresentada até o dia 21, contendo todos os dados que foram registrados durante o mês de maio. Mas será que a sua empresa também precisa fazer essa declaração?

Essa é uma dúvida bastante comum, então, continue conosco para saber quem está obrigado à apresentar a DCTF e veja ainda quais informações devem ser registradas neste documento.

O que informar na DCTF? 

As empresas que estão obrigadas a fazer a entrega mensal, devem reunir as seguintes informações sobre as contribuições e tributos: 

  • IRPJ (Imposto de Renda da Pessoa Jurídica);
  • IRRF (Imposto de Renda Retido na Fonte);
  • IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados);
  • CSLL (Contribuição Social sobre o Lucro Líquido);
  • CPMF (Contribuição Provisória sobre Movimentação ou Transmissão de Valores e de Créditos e Direitos de Natureza Financeira);
  • PIS/Pasep (Programa de Integração Social e para o Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público);
  • COFINS (Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social);
  • CPSS (Contribuição do Plano de Seguridade Social do Servidor Público);
  • Cide-Combustível (Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico incidente sobre a importação e a comercialização de petróleo e seus derivados, gás natural e álcool etílico combustível);
  • Cide-Remessa (Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico destinada a financiar o Programa de Estímulo à Interação Universidade-Empresa para o Apoio à Inovação);
  • CPRB (Contribuição Previdenciária sobre a Receita Bruta);
  • IOF (Imposto sobre Operações de Crédito, Câmbio e Seguro, ou Relativas a Títulos ou Valores Mobiliários);
Photo by @mrzivica / freepik
Photo by @mrzivica / freepik

Sou obrigado à declarar?

Todas as pessoas jurídicas de direito privado em geral, inclusive as equiparadas, as imunes e as isentas, de forma centralizada pela matriz, precisam enviar a DCTF mensal.

Neste grupo também estão as unidades gestoras de orçamento, relacionados aos seguintes casos:

  • dos órgãos públicos dos Poderes Executivo, Legislativo e Judiciário dos Estados e do Distrito Federal e dos Poderes Executivo e Legislativo dos Municípios; e
  • das autarquias e fundações instituídas e mantidas pela administração pública da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios.

Os consórcios que realizem negócios jurídicos em nome próprio, inclusive na contratação de pessoas jurídicas e físicas, com ou sem vínculo empregatício também precisam fazer a DCTF.

O mesmo vale para as entidades de fiscalização do exercício profissional (conselhos federais e regionais), inclusive a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB).

No caso das Microempresas (ME) e as Empresas de Pequeno Porte (EPP) que são enquadradas no Simples Nacional, a entrega dessa declaração deve ocorrer quando estiverem sujeitas ao pagamento da Contribuição Previdenciária sobre a Receita Bruta (CPRB) e enquanto não obrigadas à entrega da DCTFWeb.

Sendo assim, elas devem informar na DCTF os valores relativos à CPRB e aos impostos e contribuições, devidos na qualidade de contribuinte ou responsável, conforme determina a Lei Complementar nº 123/2006.

Empresas inativas

É importante destacar que as pessoas jurídicas devem apresentar a DCTF ainda que estejam inativas ou não tenham débitos a declarar, observando as seguintes situações:

  • em relação ao mês de ocorrência do evento, nos casos de extinção, incorporação, fusão e cisão parcial ou total;
  • em relação ao último mês de cada trimestre do ano-calendário, quando no trimestre anterior tenha sido informado que o pagamento do IRPJ e/ou da CSLL seria efetuado em quotas;
  • em relação ao mês de janeiro de cada ano-calendário; e
  • em relação ao mês subsequente àquele em que se verificar elevada oscilação de taxa de câmbio, na hipótese de alteração da opção pelo regime de competência para o regime de caixa, prevista no art. 5º da IN RFB nº 1.079/2010.

Desta forma, as pessoas jurídicas que estejam inativas ou não tenham débitos a declarar, voltarão à condição de obrigadas à entrega da DCTF a partir do mês em que tiverem débitos a declarar.

Quem está dispensado?

Agora que vimos as empresas que são obrigadas à entregar a DCTF mensal, saiba que existem algumas situações que resultam na dispensa dessa declaração. Veja quais são elas:

  • As ME e as EPP enquadradas no Simples Nacional, relativamente aos períodos abrangidos por esse Regime, salvo quando sujeitas ao pagamento da CPRB, segundo a Lei nº 12.546/2011;
  • Os órgãos públicos da administração direta da União;
  • As pessoas jurídicas em início de atividades, referente ao período compreendido entre o mês em que forem registrados seus atos constitutivos até o mês anterior àquele em que for efetivada a inscrição no CNPJ;
  • As pessoas jurídicas que estejam inativas ou não tenham débitos a declarar, a partir do 2º mês em que permanecerem nessa condição;
  • Os demais casos devem ser consultados no § 1° do art. 3° da Instrução Normativa RFB nº 1.599/2015;

Como apresentar a DCTF?

A DCTF deve ser elaborada mediante a utilização do Programa Gerador da Declaração (PGD) e transmitida pela Internet com a utilização do programa Receitanet.

Para a transmissão da DCTF, é obrigatória a assinatura digital da declaração mediante utilização de certificado digital válido, inclusive para as ME e as EPP enquadradas no Simples Nacional.

No caso das pessoas jurídicas e demais entidades que estejam inativas, é dispensada a utilização do certificado digital.

Dica Extra: Já imaginou aprender 10 anos de Prática Contábil em poucas semanas?

Conheça um dos programas mais completos do mercado que vai te ensinar tudo que um contador precisa saber no seu dia a dia contábil, como: Rotinas Fiscais, Abertura, Alteração e Encerramento de empresas, tudo sobre Imposto de Renda, MEIs, Simples Nacional, Lucro Presumido, enfim, TUDO que você precisa saber para se tornar um Profissional Contábil Qualificado.

Se você precisa de Prática Contábil, clique aqui e entenda como aprender tudo isso e se tornar um verdadeiro profissional contábil.