A pandemia de coronavírus tirou o mundo do ciclo contínuo e, aparentemente, infinito de nossas vidas e nos trouxe para dentro de nossas casas, impossibilitados de continuarmos na “roda da vida” como no período anterior à crise.

E essa alteração de comportamento e de consumo trouxe inúmeras novidades para muitos mercados e muitos segmentos, prometendo uma retração mundial de 3% do PIB, segundo o Fundo Monetário Internacional (FMI).

Em outras palavras, neste ano teremos menos dinheiro em circulação (consumo) do que no ano anterior.

O “novo normal” se refere exatamente ao novo modo de consumir e de trabalhar nos mais diversos mercados e segmentos.

Sem sombras de dúvidas, algumas mudanças e adaptações são passageiras.

Outras, significam um marco e uma nova forma definitiva de pensar, consumir e operar.

Segundo uma pesquisa realizada pela Bain&Company, há 4 grandes grupos de segmentos impactados pela crise: aqueles que tiveram aumento de demanda na crise e que continuará com consumo promissor; aqueles em que a demanda aumentou mas deve se estabilizar no longo prazo; aqueles que tiveram queda de demanda na crise mas que prometem ter um pico subsequente; e aqueles que tiveram queda de demanda e que, aparentemente, vão ter uma recuperação mais lenta.

Os diversos profissionais liberais, aqueles com especificidade técnica elaborada e que podem exercer seu trabalho de forma livre, e que possuem o poder de suas decisões estratégicas, estão envolvidos em pelo menos 3 destes 4 grandes grupos de segmentos.

No grupo de segmentos que tiveram aumento de demanda na pandemia e que prometem continuar em alta a longo prazo estão os profissionais de saúde (como nutricionistas, médicos, psicólogos, fisioterapeutas, educadores físicos), professores e teleprofissionais liberais.

Os profissionais de saúde estão sendo requisitados, muito impulsionados pela crise de saúde mental e física decorrente da crise, além dos atendimentos médicos que já ocorriam anteriormente.

O mundo percebeu a real importância de algumas necessidades negligenciadas anteriormente, que se referem a nossa saúde mental e espiritual.

Os professores estão sendo recompensados pelas suas iniciativas no ambiente online, e o mesmo vale para todos aqueles profissionais liberais que conseguirem entregar seu valor para o cliente/paciente de forma virtual, os chamados “teleprofissionais liberais”.

Sejam médicos, advogados, psicólogos, coaches, professores ou educadores, o profissional que fizer uma rápida transformação digital em seu modelo de negócios sairá na frente e beberá água limpa.

Isto porque conseguirá aproveitar algumas boas oportunidades na crise e mais: após a crise, provavelmente os clientes e pacientes terão uma nova forma de consumir que preze pela qualidade de vida, conforto e redução de deslocamentos desnecessários.

Profissional

Uma boa dica para este tipo de profissional liberal é entender muito bem sua relação de valor entregue, preço e custos, além de fazer esta transformação digital o mais breve possível, conforme já foi citado.

Pensando nos mercados que estão com baixa demanda durante a crise mas que prometem ter um grande pico de consumidores no período, logo após a pandemia passar, podemos citar os profissionais de setores de beleza. 

Devido às restrições e ao distanciamento social, muitos desses profissionais sofreram um grande impacto.

Entretanto, muitos consumidores voltarão aos salões e aos estúdios no período subsequente.

A dica para este tipo de profissional é praticar a empatia, usando as redes sociais e a tecnologia para se manter em contato com os clientes, nutrindo um relacionamento forte e criando cada vez mais autoridade em seu mercado.

Além disso, de nada adianta aumentar a autoridade se não houver capacidade de atendimento no período pós-pandemia.

Então, fazer um planejamento estratégico adequado, balanceando muito bem os investimentos em marketing e em capacidade operacional é primordial.

Um “novo normal” de consumo pode surgir quando falamos dos clientes deste tipo de mercado, principalmente ligado à frequência do consumo de alguns tipos de serviço, como corte de cabelo e unhas, por exemplo.

Quando falamos dos mercados mais impactados pela crise, ou seja, que tiveram grande diminuição na demanda e que parecem demorar mais na recuperação, devemos citar os profissionais liberais que trabalham com eventos e nos setores imobiliários. 

Isto porque nem mesmo o especialista com mais informações no mundo conseguiria, com alguma exatidão, passar as projeções destes mercados.

São segmentos que podem passar por transformações imensas, tanto na forma como o cliente consome, até no valor percebido.

Estes profissionais podem enfrentar períodos com grandes necessidades de reinvenção, com um “novo normal” bem diferente.

A pandemia trouxe um “novo normal” para um “novo mundo”. 

E há oportunidades e desafios em todas as atividades e profissões.

O profissional liberal tem, a seu favor, a possibilidade de decidir, em muitas ocasiões, para qual caminho seguir.

E, sem sombra de dúvidas, com empatia e coragem, os tempos podem ser de boas oportunidades.